Open Internacional de Benjamins (Dijon) – Resumo 2º Dia

Resumo 2º Dia – Sábado 01.12.2007 

Logo pela manhã, durante o pequeno-almoço (07h30) conhecemos o nosso contacto da Federação Francesa – Monsieur Mohamed Acka. Este já nos julgava desaparecidos, pois tinha esperado por nós no dia anterior até tarde.  

Ao chegarmos ao Pavilhão “L’Ogive” – Dojo de Karate Le Hetet, acompanhados do Sr. Acka, fomos introduzidos naquilo que achei ser um novo universo, uma 5ª dimensão.À entrada do pavilhão e após nos apresentar aos funcionários fomos encaminhados para a zona de “Check up” de material. No átrio de entrada circulavam figuras como: os Campeões do Mundo Alex Biamonti e Nathalie Leroy, Árbitros Mundiais como Raphael Ortega e o Presidente da Federação Francesa Mr. Francis Didier. enquanto um membro da organização verificava as nossas protecções para se assegurar que estavam de acordo com as regras da competição. Acção contínua, apresentou-nos apressadamente ao segurança/porteiro de serviço para nos garantir um livre transito no pavilhão (as entradas custavam €8) e encaminhou-nos para as bancadas, sem antes lhe podermos perguntar onde era a sala de aquecimento. Essa questão ficava esclarecida segundos depois.   

dijon1.jpg

O aquecimento dos atletas é efectuado nas galerias superiores (corredores) das bancadas. Em baixo perto de 1300 lugares ocupados com público e uma área de competição composta por 4 tatamis. A organização era fantástica, não fosse o pavilhão construído única e exclusivamente para a prática de Karate. (Volto a recordar que a esta altura estávamos noutra dimensão) Procedia-se à pesagem e certificação dos atletas.   

Iniciou-se logo de imediato o aquecimento do nosso jogador Duarte Matos (-45 Kg), o único membro da nossa equipa a competir nesse dia. As técnicas de aquecimento dos outros atletas deixavam adivinhar o espectáculo que se seguiria. Acções motoras de pernas à cabeça seriam uma constante ao longo do Campeonato. Iniciam-se os primeiros combates. O público transforma-se. Gritam, saltam, incentivam. Até a avó de 70 anos sabe as regras do jogo e incentiva o seu neto – “Droite. Mawashi dans la tete.” Aí, sem que ninguém nos tivesse dito, apercebemo-nos que o ponto atribuído mais vezes é o Sanbom (3 pontos). Nas 3 áreas que funcionavam e em apenas 2 minutos podíamos contar perto de 10-15 sanbons.  

dijon2.jpg   dijon4.jpg   openbenj07-20.jpg

Pouco acostumado às protecções do Regulamento francês (capacete e cinto/colete) o jogador Duarte Matos entra em acção. Os treinadores não entram na área de competição, se quiserem ficam na bancada a apoiar os atletas. Entra muito bem a marcar, com Gyaku Tsuki. Aos 20 segundos é surpreendido por um Mawashi jodan que envia o resultado para 3-1. Com uma excelente vivacidade dá a volta ao resultado passando para a frente do marcador por 5-4. Nos últimos instantes do combate o adversário fixa o resultado em 6-6. No prolongamento, após algumas acções que o painel não decidiu pontuar efectua Gyaku Tsuki em simultâneo com o adversário. O pavilhão fica em silêncio por instantes. 2 bandeiras para AKA (Duarte) e 2 para AO (Jogador francês) através do voto de qualidade do Arbitro central a vitória foi para o jogador da casa. Os franceses respiram de alívio. O jogador que derrotou o Duarte ficaria em 3º lugar na categoria. 

Foi bom notar que ao longo do combate as atenções centraram-se no tatami central onde estavam os Portugueses. Mais tarde alguns árbitros incluindo o chefe de tatami viriam felicitar-nos pela prestação e confessar que tinham ficado muito bem impressionados. Em jeito de brincadeira o Arbitro central que dirigiu o combate foi criticado pelos colegas. 

dijon3.jpg

Após vermos as finais desse dia encaminhamo-nos para o Hotel a fim de realizar uma sessão de treino no ginásio que nos havia sido posto à disposição, de forma a adaptar o nosso jogo ao critério de pontuação da prova para o dia seguinte. O jantar foi no restaurante do hotel onde podemos aproveitar para apreciar a famosa “Cuisine” francesa. Já no fim da refeição, cruzamo-nos com os árbitros que amavelmente nos felicitaram mais uma vez e chegamos a trocar algumas opiniões com um deles de ascendência portuguesa. Confirmou-nos o que já suspeitávamos – ganhar em casa alheia seria difícil. 

A necessitar de uma boa noite de sono, recolhemos ao quarto às 21h30. 

(NOVAS FOTOS, VIDEOS E RESUMO DO DIA 3, EM BREVE)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s